© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Meus vizinhos. As divisões de classes da propaganda.

April 7, 2017

 

Mudei para uma cidade do interior de São Paulo. Uma rua calma e um bairro periférico. Logo notei que mais ou menos as 5 e meia da tarde, algumas pessoas colocavam cadeiras na calçada e sentavam esperando motivos diferentes. Um esperava a mulher chegar do serviço, outro queria dicas para fazer tricô, etc. mas a verdade era que todos estavam ali para conversar.

Meu vizinho de muro é ferroviário aposentado, e passa bom tempo lendo ou assistindo TV, outros membros da confraria do passeio público tem perfis parecidos.

Tudo bem, quando as primeiras agencias de propaganda americanas vieram para cá, trouxeram uma tabela que lá servia para dividir e classificar os consumidores. Essa lista que começava pela classe "A', ou "AA ", e depois seguia em ordem alfabética, não incluía estados de espírito, objetivos ou identidade cultural, era só focada no poder de comprar daqueles grupos. 

Pois bem, digamos que um AA (não confundir com Alcoólico Anônimo) era um sujeito  de renda X mensal, que tinha 3 aparelhos de TV de Y polegadas, dois refrigeradores, um freezer, casa com 4 suítes, 5 carros, 2 liquidificadores, uma batedeira.....sei lá, rádio, etc. 

Lógico que essa análise funcionava bem para quem queria vender alguma coisa ou serviço, mas não poderia ser completa para o senso, por exemplo. Mesmo assim muitas pessoas acreditaram que essa quantificação poderia ser a porta da felicidade. Ter- poderia significar -ser feliz.

Olhando meus vizinhos sentados na calçada, vejo que essa divisão de classes para quem pensa em ideologias não funciona. Os comunistas, mesmo tentando se distanciar do capitalismo, fizeram o mesmo erro. Queriam que todos entrassem para a mesma classe e depois iriam distribuir rádios, TVs ou liquidificadores. Ledo engano. Mesmo os que estudam sociologia, não passaram pela minha rua as 17:30, se o fizessem iriam perceber que o brasileiro médio quer ter uma vida boa. Temos aqui muitos AA, e pretensos empresários querendo ser...AA. Temos banqueiros, presidentes de multi nacionais, temos gente querendo ser ricos. Alguns conseguem, tirando os que atropelam as leis, há pessoas que sabem e descobrem como ganhar dinheiro. São a ponta da pirâmide, são os 5% que detém 75% do dinheiro e ponto.

Mas e o resto, o que além da turma de propaganda e sociólogos, o que acham que querem os que se sentam nas cadeiras descombinadas na minha rua, o que faria meus vizinhos felizes?

Simplicidade e objetivos diretos. Os cidadãos médios que estão na grande barriga das classes querem criar os filhos e que esses consigam criam seus netos. Os BBs, BCs, e CDs das listas de consumidores querem ter sua casa, sua renda garantida com o trabalho, o comércio e a poupança, além da segurança para sair as ruas. Um seguro saúde de confiança e ser bem atendido pelo serviço público. Enfim a pirâmide toda quer dignidade. 

Lógico alguém vai falar nada disso, os políticos roubam tudo, tem muito bandido que leva a grana do trabalhador ou como podemos ficar tranquilos para trabalhar se os impostos são pessimamente empregados? 

Pois é já imaginaram a verdadeira obrigação do administrador público? Sim, é manter a justiça e o respeito ao contratos. 

Bem, vou pegar uma cadeira e sentar lá fora. Quando vejo senadores AA que tem 4 ou 5 carros esporte, juizes tentando se rivalizar com celebridades ou deputados federais não admitindo perder benesses, tenho certeza que nenhum deles sentou na calçada ou pensou seriamente no que quer a maioria do povo trabalhador brasileiro e menos tentou tomar alguma atitude para que  esses desejos fosse conseguidos.

i vizinhos como estão? Simples assim.  

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Por que a esquerda prega a diversidade, mas idolatra pessoas brancas e ricas?

February 17, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square