© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Lula versus Lula

September 15, 2017

 

Quando lula recusou a oferta do juiz Sergio Moro para realizar o depoimento por videoconferência, sabia muito bem o que estava fazendo. Sergio Moro também.

 

Lula, que tem o enorme dom de transformar a adversidade em dividendo político e pessoal, jamais perderia a chance de estar ao vivo em em cores diante do juiz, o que lhe permitiria usar outro de seus dons -o pior- a também enorme capacidade de mentir e engabelar o povo mais simples da nação.

Exatamente por isso o juiz já foi avisando logo no início: nada de discurso político. Isso é um depoimento e nada mais.

 

O que, naturalmente, de nada serviu objetivamente. Ambos tinham uma clara percepção: lula não estava ali para se defender -e nem poderia, já que contra as dezenas de provas acusatórias não tinha uma sequer para defendê-lo- e sim para transformar o depoimento em palanque politico, a velha caixa de cebola onde sempre subiu, desde os tempos de São Bernardo, para vender greve aos que oferecessem mais.

 

Manteve essa postura todo o tempo. Mesmo nervoso, irritado ou inflamado, estava de olho nas ruas, nos pelegos, no conteúdo politico.

lula representou seu papel preferido: o de lula.

Não respondeu a nada.

 

Chegou aos píncaros da destruição da lógica e do bom senso ao afirmar que Palocci, maquiado pela Globo, havia representado apenas em sua delação, e mentido em cem por cento do que dissera nelas.

 

Não poderia, personagem da ópera bufa que é, ser de outra forma. Como explicaria a atitude do 'italiano', seu amigo e homem de confiança desde o início do partidão sem chamar a justiça e os brasileiros de otários?

 

Ou como explicaria os documentos encontrados em sua casa senão com outra fantasia: a de sua falta de confiança na idoneidade dos policiais da PF, que fariam parte de um deliberado e maléfico complô para destruir sua reputação?

Assim, todos os documentos encontrados em sua própria casa que o incriminam definitivamente- foram "falsificados" pela policia do mal.

 

Mesmo simulando nervosismo ou irritação, ou até a ingenuidade do "homem-de-bem-vitima-de opressores", ao chamar a procuradora de "querida", lula sabia que, ao ser admoestado pelo juiz causaria no povo simples a sensação do "cara honesto" sendo esmagado por personagens maléficos que usavam uma linguagem incompreensível destinada a ludibriar os homens bons como ele.

 

Caíram na armadilha do mágico de Garanhus até ilustres petistas que se julgam "pensadores".

 

No frigir dos ovos, lula não fez o que deveria.

Não se defendeu efetivamente.

 

Por isso, como cidadão e leigo em assuntos de justiça, acredito que o resultado de sua façanha seja óbvio: a condenação.

 

Mas, como todos já sabemos, lula já está condenado.

Condenado pelo seu próprio personagem.

O de lula.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

O homem do controle social

December 7, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square