© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Moral e bons costumes

October 16, 2017

 

 

A questão moral foi identificada como a principal no atual debate politico.

 

O Estadão divulgou pesquisa (no Facebook) ser este o principal interesse dos internautas. Mostras como a do Queermuseu de Porto Alegre (cancelada por ser acusada de blasfêmia e zoofilia), a do MAM (de pedofilia), e outras semelhantes sobre diversidade sexual etc, ofuscaram à análise político-econômica nas postagens críticas.

 

Candidatos sentiram-se obrigados a se manifestarem sobre o assunto: Caiado taxou de "crime", Bolsonaro de "canalhice", Doria de "afronta à liberdade e dignidade", Alckmin disse  ser "fora da competência do governo analisar", Ciro de "censura". Marina ficou na moita como sempre, Lula ignorou estrategicamente.

 

Analistas do sistema político identificaram que os eleitores devem beneficiar aos que falarem mais sobre valores e moral, visto estarem insatisfeitos com uma "esquerda comunista" desejando somente uma destruição sistemática. Políticos querem agrada-los, é fato comprovado.

 

Sem dúvidas o comunismo usa há muito da tática de atacar valores ético-religiosos e culturais para destruir à Família e aos chamados bons costumes. Visa impor as suas diretrizes valorizando à supremacia do Estado em detrimento desta Família.

 

Caracterizada como "da moral e dos bons costumes" , a próxima eleição terá dificuldades em abordar à economia e à reforma do sistema político atual, verdadeiros desastres e fonte de subdesenvolvimento. O esquerdismo marxista encontra-se de antemão derrotado pois não resolveria nada...

 

No eleitor impera a descrença em todo o sistema político -social, a frustração de não ver presos aos principais acusados ou condenados  pela LavaJato (Lula, Dilma, Renan, Sarney, Temer, etc), o nojo da imoralidade  dos "julgamentos"no STF (Tofoli, Lewandowisk, Marco Aurélio,GilmarMendes, etc)  que fortalecem a uma postura conservadora mais radical, visto que estes magistrados se dedicam a privilegiar à impunidade.

 

Juízes são, numa generalização banal do eleitorado, julgados "todos culpados" fomentando à descrença na Justiça- eleitores esperavam a condenação dos corruptos... O presidente da Ajufe, Roberto Veloso, afirmou que o enfraquecimento do judiciário interessa somente aos que tramam contra a democracia. Fica a pergunta: Com a sua (deles) postura não estariam de fato eles mesmos fomentando à auto-destruição?!

 

Futuros eleitores não pedem, mas exigem, condenações efetivas e não deixadas à uma "terceira instância" inoperante!

 

Um exemplo da tendência  à "moralização" nas próximas eleições é a "decolagem" das postagens do candidato Jair Bolsonaro: 348.721, frente a 104.142 de Dória, 82.413 de Caiado, 2.466 de Alckmin, 2.407 de Ciro.

 

O perigo da "radicalização", como foi visto na eleição de um Trump, está presente.

 

Na sua essência o salvo-conduto dado à impunidade política, à canalhice e roubalheira. "Condenar o Mal", acabar com foro privilegiado, prender os condenados em segunda instância, impedir a institucionalização e continuidade da roubalheira, destinar mais recursos para segurança, saúde, saneamento básico, educação, são os únicos antídotos possíveis contra a radicalização política. Ou acontecerá!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Pelé,Xuxa e Greta Thunberg

December 13, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square