© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Culpa das vítimas?

October 23, 2017

 

Então quer dizer que a culpa pela matança de Goiânia advém das vítimas?

 

 

O psicopata marginal mirim que disparou covardemente contra seus colegas de classe não tem culpa alguma, é isso? Confere?

 

Mais uma vez, a ardilosa imprensa através de seus amestrados jornalistas, “especialistas" comportamentais, humanistas, ditadores das novas regras sociais de hospício e tutti quanti tentam empurrar para o povo goela abaixo a justificativa de que a verdadeira vítima na história é o indefeso assassino - o pobrezinho que não podia ouvir dos malvados colegas que fedia como gambá, e, por isso precisou disparar contra seus algozes.

 

A narrativa seria deveras ridícula se não fosse fabricada como todas as outras que tentam subverter o bom senso, a lógica dos fatos, a verdade e até a natureza humana. Ela acompanha os mesmos chavões vitimistas de uma sociedade com uma casta doente, composta por formadores de opinião especializados em Gramsci.

 

Querer transferir para o moderno “bullying “ ( a antiga gozação, pilhéria, "encheção de saco", perseguição juvenil ) o motivo de um covarde e inescusável crime - e que, deve ser debitado exclusivamente na conta do criminoso - para a conta da sociedade civil e suas idiossincrasias, estas existentes desde que o mundo é mundo, é pedir por mais engenharia social, mais redefinição de crimes, sua aceitação, mais doença mental e por fim mais crimes, já que a responsabilidade nunca deve recair sobre aquele que pratica algo ilícito.

 

Todos nós que passamos por uma infância e adolescência minimamente saudáveis já fomos vítimas e autores de cruéis e engraçadas gozações na escola, no clube, na família, no time ou na rodinha de amigos. Ali começava a confrontação com as nossas diferenças estéticas, talentos, fraquezas, habilidades intelectuais, gostos e etc. E nem por isso saímos metralhando alguém ou nos jogando de um edifício. Zombar e ser zombado fazia parte do jogo e era resolvido entre as partes.

 

Hoje, não mais! Quem determina o que pode ser dito, criticado e como deve ser interpretado são os engenheiros sociais.

 

Criaram gerações de indivíduos fracos, onde um bullying é mais perigoso do que uma psicopatia. Criaram uma geração de pessoas mentalmente instáveis e afetadas pelo politicamente correto que tenta vender a solução para todos os conflitos existenciais através de um mundo absolutamente irreal, sem críticas, sem gozações e sem qualquer referência às nossas características humanas.

 

Criaram gerações de imbecilizados aptos a cometer todos os tipos de crime, onde "palavras machucam para provocar mortes e armas matam". Criaram uma sociedade sensível e fracassada que foi moldada, sobretudo, em inverdades esculpidas por uma ideologia nefasta e genocida que nega a condição humana, tentando de todas as formas torná-la uma “construção social”, afinal bandidos não existem.

 

Homens ou mulheres não existem como tal...Tudo não passa de uma construção social e/ou seus reflexos.

 

Hoje, o maior desafio é enfrentar a realidade sem que a loucura afete a qualidade de raciocínio.

 

No caso deste criminoso de tenra idade, um desodorante resolveria as chacotas, mas ele preferiu matar e calar eternamente quem ousou fazer uso da sua função olfativa.

 

E a culpa é da sociedade, não é?

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Flagrante atentado à ordem pública

November 19, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square