© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Brasil discute papel higiênico preto enquanto Venezuela usa lixa para limpar o caneco

October 26, 2017

 

CARACAS – A recente problematização sobre o papel higiênico preto tem colocado em evidência as discrepâncias no continente Latino-Americano, onde um país se dá ao luxo de polemizar sobre a cor do papel com o qual se limpará, ao passo que noutro, seu vizinho, nem jornal para limpar a bunda tem mais.

 

Os efeitos maléficos das desigualdades sociais, que faz com que poucos tenham muito e muitos tenham pouco, agora se fazem evidentes em escala continental.

 

Enquanto no Brasil se discute se a atriz Marina Rui Barbosa agiu de modo racista ao aludir à possibilidade de vir a agraciar seu delicado e róseo buraquinho anal com um macio e cheiroso papel higiênico preto, na Venezuela, civis estão usando lixas para se limpar.

 

Com a escassez de papel higiênico, os venezuelanos buscaram soluções criativas, tais como o uso de jornais, pés de urtiga e, por último, lixas coletadas nas refinarias de petróleo.

 

“Arde um pouco, mas a vantagem é que dá um grau na pintura”, brinca o presidente Nicolás Maduro, principal entusiasta do uso da lixa.

 

Apesar da crise, Maduro afirma que a falta de papel se deu por uma falha no projeto de modernização do país, uma vez que o plano era substituir todo o papel por conteúdo digital, tais como tablets, kindles e computadores.

 

“O problema é que, enquanto dá pra ler um jornal no tablet, não é possível usá-lo para se limpar se ele for virtual”, explica o presidente.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Um táxi chamado Brasil

February 25, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square