© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

A carroça de Dória

November 2, 2017

João Dória, que havia largado bem aos olhos dos paulistanos para a corrida presidencial, com uma derrapada aqui e ali, acaba de sair da curva.

Na pista até agora, Dória mantinha o carro de sua candidatura correndo, mantendo a galera na expectativa do que faria na próxima curva.

 

No Rio de Janeiro, finalmente o prefeito se esborrachou no guard rail da política, ao sair da curva.

Dória defendeu, no Rio, a criação de uma frente política de "centro", composta de PSDB, PMDB, DEM, PPS e outros que não vale nem a pena mencionar, para combater o "grande mal": Bolsonaro e Lula.

 

         A iniciativa do prefeito fede.        

         Cheira exatamente como reunião de quadrilha.

 

E mais ainda como uma tentativa mal ajambrada de reviver no país a polarização PSDB versus PT que afinal não passa de uma armadilha.

E que provavelmente não dará certo novamente, como deu nos últimos 14 anos.

O PSDB já não tem credibilidade ou representatividade para coisa alguma, muito menos para lançar um candidato que possa realmente dividir a opinião pública.

 

A grande vantagem de Dória era a de possuir, aparentemente, uma certa independência política.

Dória não era politico, era um gestor.

 

         Era.

 

Dória abriu mão dessa vantagem, ao apoiar o PSDB e o frouxo Geraldo Alckmin.

E ao se auto sugerir como vice na chapa de Alckmin, o que acaba de fazer.

 

Tudo parece ser parte de uma estratégia simplória.

Notem o silêncio conhecido de Alckmin, lá em cima do muro.

Desde sempre, a tal polarização só favoreceu a um partido: o PT. Assim foi desde FHC, e culminou em 2014 com a farsa de Aécio Neves.

 

A pretexto de combater Bolsonaro e Lula, essa iniciativa do prefeito só tem mesmo um objetivo evidente: combater Bolsonaro, e mais ninguém.

E fortalecer a esquerda, no caso de uma candidatura do vigarista Luiz Inácio.

 

O PSDB, em qualquer coligação, jamais emplacaria um presidente da republica, e sabe bem disso.

Mas pode retirar votos de Bolsonaro, com a armadilha.

Não tira, evidentemente, os votos da esquerda, sedimentados.

 

Finalmente, Dória deixou de ser gestor e assumiu a identidade política.

Ao lado dos piores.

 

         Se conseguir voltar para a corrida, volta de carroça.

         Sem a menor chance.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Um táxi chamado Brasil

February 25, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square