© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Nasserismo

November 18, 2017

 

 

Afinal, o que é Nasserismo; e como isto afeta a política (interna e externa) brasileira há mais de 60 anos?

 

Muitas pessoas me pedem para dar uma definição do que é o Nasserismo. Não posso lhes oferecer uma definição simples, pois o fascimo nasserista é uma ideologia híbrida; misto de marxismo soviético, nazi-fascismo europeu e islamismo sunni da Irmandade Muçulmana.

 

 

Esta ideologia nasceu no Egito, nos anos 50, durante o período de descolonização do Oriente Médio e do Norte da Africa; logo após a 2a Guerra Mundial.

 

O Nasserismo é um fruto da Guerra Fria e do pragmatismo do ditador soviético Nikita Khrushchev. De fato, os soviéticos apoiaram Abdel Nasser na luta pela independência do Egito e, em troca do apoio militar, transformaram o país em satélite da URSS.

 

 No entanto, ao constatar que não seria possível instalar um regime 100% marxista imediatamente no Egito (devido aos obstáculos culturais e econômicos locais), Nikita Khrushchev optou por apoiar a implementação de um "nazi-fascismo árabe, quase marxista"; que preservava a propriedade e o poder dos oligarcas locais, mas ao mesmo tempo implantava um fortíssimo controle do Estado na economia e na vida dos cidadãos. Ademais, o aparato militar e a politica externa egípcia passaram a ser controlados pela URSS.

 

O Nasserismo egípcio é essencialmente uma "mutação" do marxismo/nazi-fascismo clássico europeu, em um "Fascismo Terceiro-Mundista Islamista"; visceralmente Anti-Americano, Anti-Britânico e Anti-Semita.

 

Nos anos 50 e 60, o Brasil e a Argentina eram profundamente influnciados pelo "Getulismo" e pelo "Peronismo"; que também eram movimentos fascistas. Conseqüentemente, ambos países absorveram avidamente o Nasserismo; como uma esponja seca absorve água!...

 

O governo de Juscelino Kubitschek é um perfeito exemplo de Nasserismo na America Latina dos anos 50 (fascismo oligárquico terceiro-mundista / ultra-intervencionismo do Estado na economia / anti-americanismo visceral / anti-semita / pró-soviético).

 

Infelizmente, esta ideologia de esquerda foi adotada pelo Regime Militar de 1964-85 e nunca mais foi abandonada por nenhum governo subsequente no Brasil. O imenso poder exercido pela Odebrecht e Globo (e muitos outros clepto-oligarcas tupiniquins), de 1964 até hoje, é uma consequência direta do Fascismo Nasserista Tupiniquim.

 

No Brasil, cada grupo usou o Nasserismo da maneira como achou mais conveniente. Os marxistas (pré-1964) viam no Nasserismo uma "ante-sala" para a implantação do comunismo soviético; e os militares fascistas de 1964 viam no Nasserismo uma base para estabelecer um regime fascista ultra-nacionalista oligárquico; no molde Italiano (Mussolini).

Ambos eram grupos de esquerda, mas com objetivos diferentes.

 

A rivalidade entre estes dois grupos se assemelha aquela que existe entre os muçulmanos Sunni  e Shia.

Evidentemente, o Nasserismo está muito mais próximo do Fascismo Italiano, pois preserva o poder e a propriedade privada dos oligarcas locais.

 

No entanto, todos nasseristas tem muitos pontos em comum: "terceiro-mundismo" (a.k.a. política externa "Sul-Sul"), culto ao intervencionismo estatal, anti-americanismo e anti-semitismo viscerais.

 

No final das contas, o que realmente divide as duas "tribos" nasseristas, é o antagonismo original entre o nazi-fascismo e o marxismo; ou seja, a questão da propriedade privada.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Pelé,Xuxa e Greta Thunberg

December 13, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square