© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

O Chavismo está executando a dissidência militar

December 4, 2017

 

O tenente Rafael Arreaza de 28 anos foi assassinado pela Tirania de Nicolás Maduro.

Arreaza juntamente com mais oito soldados estavam presos acusados de rebelião. Os nove oficiais, que estavam sendo acusados de conspiração junto ao General Ángel Vivas, nunca reconheceram o regime Chavista e se opuseram ao doutrinamento das Forças Armadas.

 

Eles conseguiram escapar depois de render a guarda Chavista, pegaram suas armas e seqüestraram seu veículo para escapar (segundo a versão do próprio Chavismo).

O grupo de nove soldados que tentou fugir já havia declarado há muito tempo: "Não reconhecemos a Nicolás Maduro como comandante em chefe das Forças Armadas".

Esses nove soldados, pertencem a uma longa lista de dissidentes militares, esquecidos pela comunidade internacional e até mesmo pela chamada oposição que pertence à mesma ideologia do ditador Nicolás Maduro.

 

O tenente Rafael Arreaza escapou na quinta-feira passada quando era transferido do Centro Nacional de Processos Militares (Cenapromil) em Los Teques para os tribunais militares localizados em Fuerte Tiuna.

O tenente morreu nesta Sexta feira por causa da gravidade das lesões recebidas

 

Quero lembrar que o general Ángel Vivas mencionado anteriormente   é um engenheiro militar especializado nos Estados Unidos e a Inglaterra que também continua prisioneiro, acusado pelas mesmas causas do tenente executado agora. o General Vivas ganhou notoriedade no mundo quando  se barricou em sua casa para não ser capturado pelo chavismo, ele disse que preferia morrer antes de se render a Fidel Castro, sempre lutou e denunciou o Chavismo e o Castro-Stalinismo .

 

O jovem soldado executado, pelas forças leais ao Chavismo era um militar, nacionalista que nunca reconheceu o regime comunista, narcotraficante comandado por Cuba.O Tenete Rafael Arreaza amou sua pátria e defendeu os ideais inculcados pelo general Ángel Vivas que recentemente disse da escuridão da masmorra chavista: "Se a minha liberdade significa deixar para minhas filhas e sua geração um país ocupado e controlado por estrangeiros, eu prefiro continuar sendo um prisioneiro. Se minha liberdade implica a condenação e a prisão para os jovens como elas, eu prefiro morrer prisioneiro".

 

A Venezuela também tem grandes soldados presos e sendo torturados e executados pela gangue Chavista.

 

A dignidade não tem preço, e o invasor cubano, e seus aliados sabem disso. A honra, é só para grandes homens, dispostos até a dar suas vidas pela Pátria.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Por que a esquerda prega a diversidade, mas idolatra pessoas brancas e ricas?

February 17, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square