© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

O ovo da serpente

December 11, 2017

 

Mergulhados na agonia de ver a Alemanha já derrotada na 2a. Guerra Mundial, bombardeada e em destroços, os alemães se arrependeram amargamente de não terem liquidado Hitler logo no começo de sua carreira maléfica. Pois os acontecimentos políticos não se precipitam sem uma longa maturação, de um dia para outro. Inocentemente suas vítimas depois da desgraça acontecida, reclamam “...nunca pensei que chegaríamos a este ponto”... 

 

Igual a Angela Merkel, na moderna Alemanha, cuja posição só foi compreendida agora, em sua plenitude, depois dela estimular irresponsavelmente a imigração  dos muçulmanos que lá chegaram  descontroladamente. 

 

Mas a história anda,  os muçulmanos já estão instalados lá, com sua cultura de ódio e repúdio aos valores do mundo ocidental. O conflito está colocado, dramaticamente.

 

Num gesto de reconhecimento tardio do erro de sua política permissiva, os políticos alemães agora tentam resolver o problema com dinheiro. 

E oferecem aos muçulmanos  3.000 euros para que eles voltem voluntariamente aos seus países de origem. Mais: lhes pagam as passagens e todas as despesas lá chegando e até lhes garantem a compra de móveis. Mas os muçulmanos, espertamente, preferem mesmo ficar na Alemanha. Vai ser difícil retirar aquele pessoal de lá.

 

Eles arquitetam criar uma jihad através da desordem social e de fazer filhos, em quantidade desproporcional aos alemães, para tornar a Alemanha um califado árabe, num futuro próximo.

Inclusive provocando a volta do antissemitismo, com a queima da bandeira de Israel e gritando slogans de xingamento aos judeus. Quebrando vitrines de comerciantes, numa reprise dos inícios do nazismo na Alemanha.

Hoje, os alemães pensam até em impedir a vinda de mais imigrantes se preparando energicamente para agir no fulcro do problema: estimular o progresso deles em sua própria pátria, através de programas de ajuda financeira aos seus governos. 

 

Alguns países europeus como a Republica Checa, Polônia e Hungria já se antecipam à vinda dos muçulmanos, proibindo legalmente a entrada deles. E como consequência  estão sofrendo grande pressão econômica da globalista União Européia. A Inglaterra, igualmente afetada, ajusta suas estratégias para lidar com o erro de ter permitido a imigração muçulmana sem controles. A França, a Bélgica, a Suécia, idem. E como numa guerra, defendem suas fronteiras, tentando evitar sua desnacionalização, a perda de sua identidade física e cultural. 

 

Desconhecemos como o governo brasileiro está tratando esta questão.  No duro, nem temos os meios políticos e financeiros para remediar o problema da imigração. Falta emprego, o país está em crise profunda. Pois então que o governo brasileiro trate dos brasileiros, ANTES. O Temer não abre a boca. E talvez só fale disso pela voz de seu ministro do exterior, Aloysio Nunes, um conhecido esquerdista. Falar, aliás, ele não fala nada nem se posiciona quanto à Venezuela ,desprezando nossa opinião, enquanto vai chocando os ovos da serpente.

 

Sabemos que vamos arrostar as mesmas consequências danosas que a Europa hoje mal suporta, caso nossa Lei da Imigração siga seu curso devastador. A política brasileira nessa questão é de Lesa-Pátria. Nós os acusamos e eles?...silêncio.

 

Quietamente desmancham nossas fronteiras, em novos arranjos de política exterior. Tomados por que razões? Mercenárias talvez, como sempre acontece ? Corrupção esquerdista?

 

Vamos reagir, talvez ainda haja tempo. Faça sua parte, compartilhe este post dez mil vezes. Precisamos levar estas verdades para todos.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Cracolândia em guerra

January 17, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square