© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

O reencontro com o turista holandês

April 24, 2018

    Reencontrei por acaso um turista que conheci há mais ou menos um ano. Um holandês com barba de Van Gogh e cabelo ruivo.

    Ele andava por aqui bebendo com novos amigos e explorando nosso cotidiano. Carregava um caderninho, ia anotando tudo que acontecia no Brasil, auscultava e anotava. Foi embora.

    Agora o reencontro no mesmo boteco de Copacabana. Com o caderninho aberto me pegou para uma checada geral.

     

    Primeiro perguntou onde está acontecendo a guerra civil após a prisão de Lula (ele pronuncia Liula); respondi que não há guerra civil, expliquei que o Brasil ainda tem uma democracia que aos trancos e barrancos vai sobrevivendo aos políticos bandidos, e que a Lava Jato (nome mágico que singrou por todos os mares e se faz presente no imaginário do mundo), está cada vez mais de pé!

    Ele não ficou satisfeito, olhou o caderninho e perguntou "e o exercito do Stédile?", respondi que o líder desse exército está agora dando a bunda por aí, como prometera. Ele ficou meio irritado. Não sei se comigo ou com as típicas promessas vãs dos esquerdistas tupiniquins. Eu percebi que ele voltara ao Brasil logo após a prisão do déspota petralha, com o intuíto de ver sangue, pois no país dele não acontece nada de emocionante, está cansado da rotina perfeita. Nem pegar um arengue e empurrar cru e inteiro goela abaixo causa mais efeito na vida de um holandês.

     

    Virou uma página do caderninho e lançou na minha cara, "e o tal de Boulos (Baulos) que ameaçou incendiar o Brasil, quebrar tudo"? - Respondi que esse tal de Baulos está escondido pois está devendo o cu para duzentas picas. Expliquei bem devagar, ele acabou entendendo o que é pica.

    Mas acho que não entendeu nada do contexto e começou a me olhar feio, achando que eu estava gozando com a cara dele. (essa fama do carioca, que só leva a vida na sacanagem também deve estar no caderninho).

     

    Expliquei que o Boulos fizera uma ameaça bombástica. Ele arregalou os olhos para a bomba. Falei que o líder do MTST daria o cu duzentas vezes se o "Liula" fosse preso. Portanto, eu achava que ele estava cumprindo a promessa ou escondendo o furico em algum lugar bem seguro.

    Ele não entendeu o que é furico. E antes que se irritasse de verdade comigo e não com as expectativas frustradas prometidas pelos esquerdopatas, sugeri procurar no google o significado de furico, e mais, sugeri anotar em seu caderninho as iniciais STF, e estudar o significado de Foro privilegiado.

     

    Ele entenderá o Brasil por um ângulo onde a violência se sustenta, sem promessas vãs. O resto da conversa foi só repetição, e ele, por morar em Rotterdan (foto), não soube me responder se em Amsterdam ainda há aquelas moças na vitrine, que eu vi há dois anos quando passei pela cidade de Rembrant.

    Share on Facebook
    Share on Twitter
    Please reload

    Posts Em Destaque

    O bezerro de ouro e a liderança política

    November 12, 2019

    1/10
    Please reload

    Arquivo
    Please reload

    Siga
    • Facebook Basic Square
    • Twitter Basic Square
    • Google+ Basic Square