© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Voto: opcional?

May 31, 2018

Logo de cara digo: sim, o voto deveria de ser facultativo.  

O sujeito que é obrigado a votar, vai ao acaso, displicentemente. Escolhe qualquer um. E deixa aos outros a obrigação de avaliar e decidir responsavelmente. Por preguiça ou por ignorância, desanimado com a política, o votante empurrado contra sua vontade acha que qualquer nome escolhido “vai roubar mesmo”. Para ele, “todo político é ladrão”. 

 

Há um ceticismo encruado na sociedade. Temos tido decepções dramáticas com os políticos. Mesmo alguns petistas, esperançosos numa revolução saneadora, hoje estão prostrados, vendo seus líderes na cadeia. Ou em vias de entrar lá. Nessas, o Tiririca tem sua chance.

 

A urna eletrônica também é razão de desânimo. Desconfiamos que seremos enganados outra vez, na hora da apuração. O STF, no caso específico, o Toffoli, foi o pingo d'água que fez transbordar a água do copo. Tudo no Brasil parece se resumir à manipulação e interesses pessoais.

 

E agora, os filhos dos políticos, vão virar políticos. Essa é a maré. Ou seja, suspeita-e que a velha demagogia, o “ladroismo” e a má-fé vai-se repetir outra vez. Estamos pessimistas. A Lava-Jato é um oásis pra quem tem sede de justiça. Se o Moro se candidatasse, teria uma boa chance. Eu, por exemplo, votaria nele. 

 

Razões para o desespero com a política, tem muitas. Os discursos, sempre rotineiros, as promessas repetidas, nenhuma criatividade. Os marqueteiros não favorecem aos candidatos que tomem nenhum risco. Daí as falas homogêneas, que recorrem ao clichê, o lugar-comum, as generalidades. Não dá para aguentar, todos parecem ridículos em suas falas trôpegas e gesticulação de “ batatinha quando nasce”.

 

Como resultado de tanta mediocridade e bullshit, cada vez mais brasileiros rogam de joelhos que as Forças Armadas assumam o  poder.

 

Querem transferir para outros, o que parece não ser possível conseguir pela via do voto. A verdade é que preferimos ser paternalizados, abrindo

mão de nossa vontade individual, nos acostumamos a puxar a carroça, só queremos mudar quem está com as rédeas na mão. 

 

A maioria está desistindo, entregues e desanimados. Tudo bem. Então não votem, por favor, pulem fora, vão visitar os parentes, façam a merda que quiserem - mas pelo amor de deus, NÃO VOTEM! Será um favor. 

 

Uma campanha importante seria essa de desobrigar o cidadão de votar. Só gente com opinião iria para as urnas, como dever pessoal e cívico. Quanto aos outros, sugiro que vão tomar umas birita e discutir futebol com os mano. 

Burro só pode mesmo é relinchar - mas não dar opinião política.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Futurologices

November 14, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square