© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Urnas eletrônicas:a luta tem de continuar

June 8, 2018

Eu suspeitava, agora tenho absoluta certeza: está pronto para ser acionado, se necessário, um super esquema de fraude eleitoral baseado nas urnas eletrônicas...

Até ontem, 06-06-2018, eu tive esperança de que, pressionado, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) faria cumprir a lei 13.165/2015,que restabelece o voto impresso...Havia até preparado os termos de um abaixo-assinado a ser dirigido à ministra Carmen Lúcia pedindo que o STF exigisse que o TSE cumprisse a lei...

Santa inocência: todos nós, que defendemos o voto impresso e rejeitamos as urnas eletrônicas por ter certeza de que elas são sinônimo de fraude, fomos estuprados por uma decisão quase unânime dos ministros da suprema corte que torna o voto impresso inconstitucional...

PLANO SÓRDIDO

A decisão do STF sob comando da ministra Carmen Lúcia desrespeita tudo – os maiores especialistas em segurança do meio eletrônico do país, que já se mostram exaustos de tanto demonstrar as fragilidades da urna eletrônica; desrespeita a nação brasileira que tinha no voto o último bastião da democracia; desrespeita os candidatos; desrespeita a ciência e desrespeita até mesmo o grande Bill Gates que ainda recentemente afirmou com grande eloquência: “A democracia é o último lugar do mundo onde a tecnologia deve ser usada”.

Não quero chover no molhado, mas é preciso reconstituir os passos desse golpe à democracia para demonstrar como ele foi urdido: em dezembro de 2015, depois de algumas escaramuças entre parlamentares a favor e contra, o Congresso Nacional aprova a lei 13.165/2015 que torna obrigatória a adoção do voto impresso.

PRIMEIRA GRANDE FRAUDE

Já nessa época começaram a pipocar denúncias e versões de que a eleição de Dilma Rousseff no ano anterior se deveu às “indefectíveis” urnas eletrônicas...

Poucos meses depois de aprovada, a lei do voto impresso recebia as primeiras críticas, todas elas difusas, aparentemente ingênuas, enquanto o poderoso TSE começava a andar de lado...Primeiro, desenvolveu um grande esforço para demonstrar ao público que as urnas eletrônicas já eram usadas em todo o mundo e que eram totalmente seguras...

Ambas as teorias foram exaustivamente derrubadas por especialistas..um deles é ninguém menos que Diego Aranha, professor do curso de engenharia eletrônica da Unicamp, que depois de testar as urnas eletrônicas a convite do TSE declarou que é possível mudar mensagens da tela da urna, alterar registros de votação e encontrar caminhos para quebrar o sigilo do voto: “É possível sim fraudar as eleições”.

UM SHOW DE DEMAGOGIA E SORDIDEZ

Até recentemente, talvez para tentar aplacar as críticas desferidas contra a urna eletrônica, o TSE realizou mais uma rodada de testes fulminada por uma declaração de um dos maiores especialistas em segurança de sistemas eletrônicos, o homem que foi consultor do Congresso Nacional na elaboração da lei do voto impresso, Amilcar Brunazo Filho: “É só mais um show para o TSE desviar a atenção do fato que eles não vão cumprir a lei do voto impresso”.

Talvez por perceber que os testes não conseguiriam resgatar a credibilidade do equipamento, o TSE começou a alegar que não havia recursos suficientes para comprar as impressoras. Foi mais uma mentira desmascarada pelos especialistas...

Aqui, é indispensável prestar atenção no depoimento do professor de Ciência da Computação da Universidade Nacional de Brasília, PHD em Matemática, Pedro Dourado de Resende, dia 6 de março deste ano à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal.

DENÚNCIAS ESTARRECEDORAS

O depoimento é estarrecedor (https://www.youtube.com/watch?v=TncaJCTmKXM), sobretudo porque nada foi feito ainda para que se cumpra a lei do voto impresso.

Veja aqui a gravidade das denúncias feitas pelo professor Pedro de Resende:

1º) – O processo fiscalizatório do pleito é um jogo de gato e rato e de tal modo que quem entra pra fiscalizar já sabe que será derrotado...

2º) – Todo o sistema de identificação biométrica só servirá para avisar o “software trapaceiro” de que o sistema está sendo auditado...


3º) – O Edital para licitação lançado pelo TSE para  compra de urnas eletrônicas foi dirigido para favorecer a empresa venezuelana Startmatic...

4º) – O TSE cometeu um crime contra a soberania  nacional ao entregar, “sem necessidade”, o material criptografado com os segredos do sistema eleitoral brasileiro a estrangeiros (“três venezuelanos e um português”), não submetidos às leis de sigilo brasileira...


Detalhe importante: o professor Pedro de Resende não vota desde 1997, ano em que foi introduzida no Brasil a primeira urna eletrônica...

Em seguida, a grande farsa começa a mostrar a cara: a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, levantara a bola que seus cúmplices no STF iriam chutar a gol neste sombrio 06 de junho: a lei do voto impresso, segundo ela, seria inconstitucional...

BRUNAZO JOGA A TOALHA

A primeira reação à sinistra decisão do STF veio antes de terminar a sessão: o grande Amilcar Brunazo Filho jogou a toalha... Eu nem conhecia o resultado quando chega uma mensagem dele em meu e.mail: “Os argumentos apresentados pelos ministros para derrubar o voto impresso pela terceira vez foram muito hipócritas e ridículos.Me dou por satisfeito.
Cada povo tem a Suprema Corte que merece. Agradeço a todos que participaram dessa luta e lhes desejo força para continuar. Estou me retirando”...

Amilcar que me desculpe: continuarei na briga...anunciarei uma reação nos próximos dias, para qual peço a colaboração de todos os amigos e amigas que ainda acreditam no sonho da democracia brasileira.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Cracolândia em guerra

January 17, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square