© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

A potência são eles, os ladrões

June 24, 2018

Durante trinta anos o Brasil formou uma classe política semelhante aos ilustres Escadinha, Fernandinho Beira Mar, Marcola e outros do mesmo padrão. Mas com outra embalagem.

 

O sistema educacional que existia foi destruído.

E com isso o Brasil passou a ter um povo tão sub-raça que perdemos a identidade de Nação.

Além disso, somos duzentos milhões trabalhando para bandidos, como empregados deles, subjugados por um sistema ditatorial que não consegue mais esconder a mascara. Somos escravos de uma categoria de desclassificados vulgares, bandidos da mais alta periculosidade.

 

Esses bandidos não se interessam pelo Brasil, não são brasileiros.

São apátridas que estão aqui por casualidade, obcecados por destruir nossa Nação. Nem podemos classificá-los como traidores da pátria, porque eles não têm pátria. Tanto faz quem seja, são todos iguais.

Lula, Gilmar Mendes e etc., FHC, Sarney, Collor, Temer e a grande maioria dos deputados e Senadores. Lula é o pior de todos, mas não existiria ou não chegaria onde chegou, se todos não quisessem.

 

Em vinte anos a Coréia do Sul saiu da pobreza, do domínio econômico japonês (eu estive lá e vi, a moeda koreana, Won, era subjugado ao Iene japonês no seu próprio mercado), e transformou-se em uma potência tecnológica. Hoje supera o Japão em muitas áreas. Um país pequenininho que tem dezenas de marcas no mercado mundial, como Sansung, LG, Hyundai, Kia e muitas outras. Dominam mercado até nos Estados Unidos.

A Apple está tomando rasteira da Sansung no seu território.

 

No mesmo tempo o Brasil fez o caminho inverso.

Os responsáveis permanecem no nosso cenário político. E não querem que o Brasil saia da sarjeta, ou da imoralidade, e seja uma potência. Eles, sim, são uma potência. É o que basta. Não importa o sonho do brasileiro de ter um país que o orgulhe internacionalmente e se compare com países desenvolvidos.

 

A delação de Palocci à Polícia Federal é de causar um espanto incomensurável, difícil de acreditar. A destruição do Brasil está alí relatada, nessa delação. Em detalhes Palocci expõe a estratégia dos bandidos.

 

O Brasil está totalmente loteado entre três grandes quadrilhas, que se sustentam com o apoio de gangues sucursais. Quase quarenta partidos nesse loteamento telúrico e econômico.

 

Ou as Forças Armadas destroem qualquer possibilidade de fraude nas urnas em Outubro, ou só restará aos verdadeiros brasileiros a formação de grupos de justiceiros para matar todos os responsáveis pela destruição do Brasil, pautada nestes últimos trinta anos.

Falo sério!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Um táxi chamado Brasil

February 25, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square