© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Florianópolis:a bela e a fera numa só cidade

August 11, 2018

Circula pelas redes sociais um vídeo (veja abaixo),divulgado pelo blog do jornalista catarinense, Moacyr Pereira, bem sintomático: um grupo de manifestantes petistas é expulso pelos frequentadores do mercado municipal de Florianópolis, tradicional ponto de encontro da cidade, aos gritos de “Fora Ladrão”! Aconteceu sexta-feira, 28-07, pela manhã.

Quem não viu, trate de ver: é a melhor denúncia dessa última grande farsa em curso de que Luiz Inácio seria imbatível nas eleições que se aproximam...não, não seria....teria uma votação residual junto com todos os outros candidatos petistas que se apresentarem aos eleitores pelo país a fora....Lula e seu partido estão liquidados, naufragam no oceano de lama que produziram nos 14 anos de poder...E as eleições municipais de 2014 já deixaram muito claro isso: o PT quase é eliminado do mapa da política brasileira...

O TERMÔMETRO
Ainda com menos de 500 mil habitantes, a ilha de Florianópolis, capital de Santa Catarina, tem sido, ao longo do tempo, um ótimo termômetro pra medir a temperatura da política nacional. Em 1979, produziu a célebre NOVEMBRADA, vista até hoje como um sinal claro de que o regime militar introduzido em 1964 havia se esgotado e que o melhor que os militares podiam fazer era voltar para as casernas.

O regime duraria mais cinco anos após a NOVEMBRADA, mas dali a dois anos eu fazia, em Curitiba, uma célebre entrevista com o brigadeiro Délio Jardim de Matos, espécie de porta-voz do governo do general João Batista Figueiredo, falando pela primeira vez à imprensa sobre “DISTENSÃO” do regime militar.

Foi o sinal mais visível até então de que o regime iria se abrir para a democracia; dois anos depois, veio a “ABERTURA DEMOCRÁTICA” e, em mais um ano, chegaram a ANISTIA e a CAMPANHA DAS DIRETAS.

A NOVEMBRADA
João Batista Figueiredo, o 6º general a ocupar a presidência após 1964, foi também o mais extrovertido: nas solenidades, misturava-se aos convidados e falava aos jornalistas sem nenhum formalismo. Nessas conversas, de vez em quando, pronunciava frases do tipo inesquecíveis: “Gaúcho é gigolô de vaca!” ou “Gosto mais de cheiro de cavalo que cheiro de povo”, etc...

Falhou o serviço de informações do governo e Figueiredo desembarcou cedo em Florianópolis aparentemente disposto a testar sua popularidade. Foi um péssimo dia, descobriu-se depois.

No trajeto de cerca de 20 quilômetros que separa o aeroporto Hercílio Luz do Palácio Cruz e Souza, então sede do governo estadual, a comitiva presidencial enfrentou várias manifestações de protesto: donas de casa realizavam um panelaço contra a carestia, taxistas gritavam contra o preço dos combustíveis, familiares das vítimas do histórico massacre de Anhatomirim externavam seu inconformismo com a homenagem – inauguração de uma placa comemorativa – que o regime militar fizera ao Marechal Floriano Peixoto, visto na cidade como o grande responsável pelos episódios e estudantes se juntavam às manifestações.

Figueiredo chegou ao Palácio e subiu ao segundo andar, onde o então governador Jorge Bornhausen o esperava.

ENFRENTAMENTO NO BRAÇO
Os diferentes grupos de manifestantes começaram a se juntar lá embaixo, na Praça XV de Novembro, que circunda o Palácio Cruz e Souza. Protestos, algazarra, gritos de palavra de ordem... de repente, Figueiredo sai na sacada e, com os braços, manda uma banana para os manifestantes....A reação foi instantânea e alta...xingaram a mãe do presidente:

- Minha mãe não está em pauta! — repetia um transtornado Figueiredo. Nem o governador Bornhausen conseguiu segurá-lo, desceu como um bólido e foi de encontro aos manifestantes!

Não há um registro do que aconteceu no embate. Ao que consta, os seguranças conseguiram evitar que Figueiredo fosse linchado... No saldo final, sete estudantes foram presos, com base na lei de Segurança Nacional. A placa em homenagem a Floriano foi arrancada de seu pedestal, e vandalizada.

Os políticos e até mesmo os militares deveriam ter aprendido que com Florianópolis não se brinca, mas...

 

https://www.facebook.com/moacir.pereira.169/videos/2013445402007655/

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Por que a esquerda prega a diversidade, mas idolatra pessoas brancas e ricas?

February 17, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square