© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

A piada de Maduro condenado

A comunista Luisa Ortega Díaz Anuncia 18 anos de Prisão para Maduro.

A promotora Luisa Ortega Díaz começou no ano passado a ser “oposição” ao chavismo.

Ela começou a "bater" na quadrilha Chavista quando já estava no exílio e abriu processos e investigações pelos assassinatos da brutal repressão empreendida pela Tirania Comunista nos últimos tempos.

Denunciou ao mundo que substituir as funções da Assembleia Nacional (Parlamento Venezuelano) constituía uma violação da ordem constitucional. Luisa Ortega tornou público o número de mortes causadas pela repressão, quando a ordem do chavismo era esconder essa informação para os venezuelanos.

Por fim ela também anunciou que iria denunciar os crimes contra a humanidade perante da justiça internacional.

 

 

No entanto, a promotora Luisa Ortega nada disse quando dois anos atrás, o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, emitiu a resolução 0861, que permitiu o uso de Armas de Guerra contra os venezuelanos para "controlar" as manifestações.

 

A promotora sempre afirmou que os protestos eram ilegais e que o comportamento dos ativistas da “direita” era irresponsável.

Além disso, ela sempre afirmou que o desempenho do chavismo “era correto” e sempre insistiu em que todos seus atos estavam ajustados ao devido processo. 

 

Nunca condenou a tirania que ela ajudou a implantar.

 

A verdadeira história de Luisa Ortega e seu marido Germán Ferrer, que foi deputado chavista, é a que eram membros do movimento PRV-FALN-Ruptura, um aparelho político-militar dos amigos revolucionários da Luisa. Seu marido Germán Ferrer é fugitivo do Cartel San Carlos.

Os dois militaram na esquerda dos anos sessenta.

Conhecemos a grande amizade da promotora Luisa Ortega com Douglas Bravo, o mais famoso guerrilheiro comunista da Venezuela por suas ligações com o Che Guevara.

 

Na verdade, diante da imagem que o Chavismo projeta para o mundo como um regime assassino e opressor, a procuradora Luisa Ortega procurou sair de cena e passar para as fileiras menos socialistas da “oposição”.

Luisa Ortega Díaz disse que tinha provas ligando Maduro com a construtora brasileira Odebrecht, e atribui a esse caso a “perseguição” que ela vinha sofrendo.

 

No ano passado o narcotraficante Diosdado Cabello ordenou a prisão do marido de Luisa Ortega, e logo depois ela decidiu fugir e passar para as fileiras da "oposição".

Depois da execução de Óscar Pérez a ex promotora denunciou o massacre ao mundo, mas a oposição dentro da Venezuela (que constituiu aquele tribunal comandado por ela no exílio) nunca falou de Óscar Pérez, nunca condenou o massacre, e nunca Luisa Ortega tentou localizar a família de Pérez ou das outros soldados executados em 15 de Janeiro deste ano.

O fato é que se Luisa Ortega fosse uma pessoa do bem, já teria denunciado não só o chavismo mas também essa “oposição” nos tribunais internacionais, e teria procurado apoio internacional há mais de uma década.

 

Ontem, a senhora Luisa Ortega anunciou para o mundo que o Tribunal Supremo no Exílio, tinha acabado de fazer uma sentença HISTÓRICA contra Nicolás Maduro e o condenou a cumprir 18 anos de prisão.

Eu esperei até hoje para escrever porque esperava pelo menos um posicionamento da "oposição" dentro da Venezuela... 

Bem, eles decidiram sair de férias...

 

É importante que a verdade seja conhecida por todos: a senhora Luisa Ortega sempre foi fiel ao Castro-Chavismo, pois trata-se de mais uma comunista que ajudou a estabelecer uma tirania comunista na Venezuela e agora que o mundo conhece a verdadeiro rosto do chavismo ela procura sair ilesa junto com essa quadrilha de comunistas "arrependidos" no exilio.

Mas, já vai tarde dona Luisa.​

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Um táxi chamado Brasil

February 25, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square