© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Quem são e para que servem os idiotas úteis?

September 24, 2018

Uma das expressões que mais tem sido usadas no cenário político contemporâneo é esta: idiota útil. Como pode um idiota ser verdadeiramente útil, se ele é um idiota? Nas mãos de agremiações, de partidos e de psicopatas políticos, até mesmo um idiota pode ter utilidade, sem dúvida nenhuma.

 

Esta expressão, que tornou-se um vocábulo corriqueiro na política, descreve um tipo muito peculiar de indivíduo: aquele que realmente acredita – e leva muito a sério – sua ideologia de estimação. Embora normalmente se refira a marxistas, a terminologia pode ser aplicada a ativistas e militantes de esquerda em geral. Não obstante, ela é usada para definir os mais radicais e inflexíveis. 

 

O idiota útil – em primeiro lugar – é um idiota, que não percebe como está sendo manipulado. Depois de ler um ou dois livrinhos de ficção de Karl Marx, autor de diversos contos de fada que infelizmente são levados muito à sério por seus adeptos, ele absorve a doutrina, adota vários políticos de estimação que aparentemente também acreditam nesta ideologia, e não percebe, mesmo que as evidências sejam tão gritantes quanto colossais, que os demagogos políticos que ele tanto idolatra, na melhor das hipóteses, são psicopatas desesperados pelo poder. Em sua maioria, são pessoas que realmente não estão nem um pouco interessadas na ideologia, que é usada apenas como instrumento para se alcançar o poder político. Uma vez que este objetivo seja alcançado, eles irão esquecer a ideologia, e buscar atingir seus próprios objetivos egoístas, que serão, a saber, mais poder, dinheiro, riqueza, fortuna, contas bancárias em paraísos fiscais, eliminação de rivais políticos e expansão da sua esfera de influência.   

 

A política é, antes de tudo, um jogo de adultos improdutivos e desocupados. Na ausência de verdadeiras habilidades para ganhar a vida honestamente, este grupo de pessoas ingressou na política porque descobriram uma maneira de ganhar muito dinheiro, sem ter que fazer esforço algum. Seu capital são discursos populistas que não enganariam nem mesmo uma criança inteligente, e um conjunto de boas intenções que jamais serão executadas na prática. Só que o idiota útil, por ser idiota, não é capaz de perceber o óbvio. No hostil, beligerante, dissimulado e conflituoso jogo da política, seus jogadores estarão dispostos a tudo para conquistar o poder. Enganar, ludibriar e mentir faz parte do jogo, mas o idiota útil não percebe isso. Se emociona com os discursos dos seus políticos favoritos, e realmente acha que estão sendo honestos, quando, na verdade, estão apenas fazendo um show. O idiota útil, no entanto, acredita que seus políticos de estimação são indivíduos sinceros, anjos puros de celestial bondade e incomensurável amor, que falam apenas a verdade, e estão na política porque são seres humanitários, sensíveis e abnegados, dispostos a se doar integralmente, na construção de um mundo melhor. 

 

O idiota útil não consegue perceber como, em essência, todos os políticos são fundamentalmente iguais. Ele realmente acredita que existem diferenças entre eles, e os encaixa dentro de categorias mentais irrisórias e superficiais, dentro das quais todos aqueles que apoiam sua ideologia são bons, e todos aqueles que não apoiam sua ideologia são maus. Por sua visão terrivelmente simplória de mundo – que não é capaz de conceber as complexidades da realidade – o idiota útil encara apenas os políticos integrantes dos outros partidos como sendo ruins. Especialmente aqueles que não apoiam a ideologia da qual ele é um fervoroso entusiasta – ideologia, esta, não esqueçamos, que foi a base das ditaduras mais mortíferas e sanguinárias que já existiram, e que atrasaram em pelo menos dois séculos todos os países que as adotaram –, mas que ele acredita, sinceramente, que não eram representativas do “verdadeiro” socialismo. O “verdadeiro” socialismo, a utopia ingênua e infantil na qual o idiota útil ardorosamente acredita, será implementado pelos políticos que ele tanto ama e idolatra. E, daí para frente, tudo será ostensivamente perfeito e maravilhoso.  

 

Infelizmente, o idiota útil é um coletivista autoritário, incapaz de crescer e tornar-se um adulto, que precisa da chupetinha estatal para resolver todos os seus problemas, ou aquilo que ele considera como sendo um problema. O pior é quando ele realmente acha que sua ideologia pode resolver todas as dificuldades existentes, que ele deve converter aqueles que ainda não adeririam ao marxismo, e que deve encarar como inimigos àqueles que expressam ojeriza ou são resistentes a ela. Sempre que possível, ele demonstra todo o seu potencial autoritário, diante de alguém que expressa uma opinião política divergente. 

 

O idiota útil é um idiota, por vários motivos, e podemos enumerar ao menos nove deles aqui.

Em primeiro lugar, porque não consegue compreender a verdade.

Em segundo, porque é incapaz de perceber como é manipulado.

Em terceiro, porque acredita na sinceridade de políticos dispostos a enganar a tudo e a todos pelo poder.

Em quarto, porque é um indivíduo destituído de inteligência, completamente incapaz de assimilar as complexidades do mundo que o cerca, e define as pessoas como sendo boas ou más usando como parâmetro sua doutrina de estimação, uma ideologia, cruel, arcaica, obsoleta e antiquada, que destruiu completamente os países que aderiram a ela.

Em quinto lugar, por venerar e adorar políticos.

Em sexto, por pensar que, em todas as ocasiões nas quais o socialismo foi implementado, não era o “verdadeiro” socialismo.

Em sétimo lugar, por achar que o “verdadeiro” socialismo vai dar certo aqui, e que a experiência será diferente de todas as demais.

Em oitavo, por considerar possível que sua utopia infantil possa ser implementada de forma dócil, impecável e maravilhosa, pelo grupo de políticos que ele tanto idolatra.

Em nono lugar, por se achar no direito de, sob coerção violenta, tentar forçar ou obrigar outras pessoas a adotarem a sua ideologia, seja convencendo-as pessoalmente, seja por insistir em inserir políticos socialistas no estado. E, por fim, o idiota é útil, porque milita em favor de psicopatas desesperados para alcançar o poder político, sem ganhar nada por isso. 

 

Em resumo, o idiota útil é um coitado deplorável que trabalha de graça, para que, no final, ele próprio também possa ser fuzilado, ou morrer de fome, enquanto reclama que os psicopatas políticos que ele tanto venerava traíram os “verdadeiros, mágicos e puros” ideais da revolução.

Como diz o ditado, seria cômico, senão fosse trágica tanta burrice crônica desmedida, contaminando tantos indivíduos, que deveriam estar sendo verdadeiramente produtivos e, quem sabe, dispostos a crescer e virar gente.   

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Um táxi chamado Brasil

February 25, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square