© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Os ventos da mudança

October 5, 2018

O Brasil vive um momento histórico.
Pela primeira vez um presidente será eleito exclusivamente pela força da internet.
Algo parecido com o que ocorreu nos EUA com a eleição de Trump.

Lá, como aqui, a velha e manipuladora mídia tentou de todas as formas acabar com o que a ameaçava. Mentiu, forjou, denegriu e se moveu em bloco contra Trump.
Perdeu feio.


A situação hoje marca um momento irreversível na história dos povos: a decadência dos velhos e milionários manipuladores de opinião.
Quem hoje acreditaria que a Globo teria poder para eleger um poste, como fez em 1989, transformando um crápula-Fernando Collor- em presidente?
Ninguém, provavelmente.
Por uma razão simples: veículos outrora poderosos, como a rede Globo, Veja, Folha de São Paulo ou Estadão já não tem credibilidade e nem alcance para veicular o que lhes interessa.
Como sempre fizeram.
Perderam. E não tem volta.


Mentiras e calúnias, a tal da destruição de reputações, antes pesavam e definiam eleições.
Hoje a mentira tem perna curta.
E bem curta: nas redes sociais, uma mentira -ou fake news, como definiu Donald Trump- dura apenas algumas horas. Se durar.

Velhos alienados e representantes dessa antiga cultura hoje submergem na própria merda que os alimentou e os manteve durante décadas. 
Merecidamente, pagam o preço pela cegueira social. 
Um deles é Alckmin, outro Meirelles...
Os milhões por eles despejados -de fundos partidários- numa campanha antiga e mentirosa, aos moldes de seus antepassados, acabam de ir para a lata do lixo.
Perderam para um homem que recusou sistematicamente grana e mais grana pra tocar sua campanha: Jair Bolsonaro.
E que a baseou somente nas redes sociais, falando com o povo, com as pessoas.

 

Alckmin, Meirelles e outros da mesma laia jamais conseguiriam lidar com essa linguagem, por uma razão muito simples: é preciso ser verdadeiro.
Mentir, forjar dados e números não vale nada dentro dessa linguagem.

Haddad não conta. 


Ninguém jamais conseguirá me convencer que Haddad é candidato.
Haddad é poste. Poste de criminoso.

 

Enfim, também pela primeira vez a própria sociedade se mobilizou verdadeiramente em favor do que quer.
Com orgulho vimos as pessoas comprando-e não recebendo gratuitamente- material promocional, camisetas, adesivos, de seu candidato, Bolsonaro.

O cenário se define e fecha.


A insegurança fica por conta dos irresponsáveis do STF e sua porca atuação por urnas fraudáveis.
Se tentarão o golpe, não se sabe.


Mas um fato fica bem claro:
Vão precisar de coragem pra isso.
Muita, mas muita coragem mesmo.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

A Pandemia Covid-19 e a Nova Ordem Mundial

March 24, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square