© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Natureza implacável

November 30, 2018

Li, certa vez, que o Exército dos Estados Unidos tinha decidido retificar os rios de seu país, lá pelas décadas de 40, 50. Não me perguntem onde, que me esqueci. E dizer “sistema hídrico” não torna o assunto mais sério. Enfim, essa iniciativa da engenharia militar americana, um tanto precipitada, resultou em queda de barreiras, desabamentos  e inundações sem fim.

 

Andei pensando no assunto, que vale como um “warning” para os seres humanos não mexerem demais com a mãe-natureza. 

 

As devastações da floresta pelo homem, os deslocamentos gigantescos

de terra que não respeitam os movimentos tectônicos do universo, por assim dizer, agridem o meio ambiente mortalmente. Vivemos em permanente guerra contra a mãe natureza, impondo-lhe necessidades

que julgamos imperiosas, inteligentes - e inadiáveis. Pobres de nós. 

Somos como formiguinhas jogando com a sorte. 

 

Os arranjos artificiais a que submetemos a terra e o mar, devolvem seguidamente aos homens, de maneiras diversas, as consequências dos seus estupros e prepotência.

 

Rios desviados precisam voltar ao seu leito natural, doenças prosperam

em revolta, o universo vai manquitolando, apoiado em muletas artificialmente construídas. E um sentimento de desgraça e infelicidade existencial assola nossa maneira de viver. Perdemos sintonia com o ritmo

e o sentido natural da vida. Armas nucleares, que hoje quase podem ser compradas na feira, olham curiosas de dentro de seus casulos, prontas para iniciar guerras, orientadas pela nossa cegueira e impulsos suicidas.

 

As catástrofes atômicas e a liquidação douniverso microscópico dos insetos eclodem, sem controle. A ecologia é só uma palavra.

 

Profetas de catástrofes bíblicas, de nomes esquecidos, se revolvem dentro das sepulturas, conscientes dos motivos de seus antigos clamores.

A humanidade perdeu seu eixo enquanto nossa galáxia se desloca pelo fundaréu sideral, a terra às vezes se sacudindo em terremotos, como um cachorro cheio de pulgas - obrigando assim a natureza a recomeçar aqui, outra vez, um novo ciclo de vida. 

 

Guerras são uma rotina obrigatória para os seres humanos, doentes de prepotências e certezas vãs. Ajoelhar-nos frente ao Criador , entretanto, não O dispõe a aliviar nossa carga de pecados. Nem a penitência nos dá a sensação de que Alguém está ouvindo nossas inúteis lamentações.

 

Escrevi pensando numa observação do Fabio Bettinassi:

O FIM ESTÁ PRÓXIMO: Insetos estão desaparecendo da Terra. Nas florestas da Alemanha, em 27 anos de pesquisa, 82% da fauna entomológica, simplesmente sumiu. Isso significa que o fim da humanidade onde uma profunda alteração está para ocorrer. Por isso antes de dar uma chinelada na barata, pense duas vezes!

 

https://www.nytimes.com/2018/11/27/magazine/insect-apocalypse.html?smid=fb-nytimes&smtyp=cur&fbclid=IwAR0cWSAe9HoqErnYFJf_YTIF66zlUa4oHBkxmnFAF00VADlj9brfwpoeKgI

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Socialismo é estadolatria

January 23, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square