© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Acertos do Capitão

August 3, 2019

Tá errado, tá tudo errado, como diria Raul Seixas: o presidente Jair Bolsonaro deve merecer uma homenagem do Brasil e nunca a execração, em andamento, por ter colocado o dedo nessa ferida dos chamados “anos de chumbo”...

Tudo pode ter acontecido com o militante de esquerda Fernando Santa Cruz, pai do atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, inclusive, como sustenta Bolsonaro, ter sido assassinado por companheiros da organização em que militava, como queima de arquivo...

Não dá pra aceitar como definitiva a conclusão da Comissão Nacional da Verdade – de que Fernando faleceu provavelmente (sic) no dia 23 de fevereiro de 1974 e que seu corpo , uma das hipóteses (sic), tenha sido incinerado em uma usina de açúcar em Campos dos Goytacazes (RJ) - versão endossada por um depoimento de Claudio Guerra, ex-delegado do DOPS-ES.

Passados mais de 40 anos, a verdade é que nesse caso tudo ainda se mantém no terreno das hipóteses; teria sido preso por agentes da repressão (de que órgão ?), num apartamento do Rio de Janeiro (ele tinha emprego fixo em São Paulo), e teria sido levado para a “Casa da Morte” em Petrópolis ou para as dependências do DOI-Codi em São Paulo...O corpo continua desaparecido...

COMISSÃO DA VERDADE ?
Bolsonaro é atacado também por ter levantado dúvidas sobre a seriedade da Comissão da Verdade: “Por que vamos acreditar na seriedade dessa Comissão se ela foi invenção do governo Dilma Rousseff ?”, indagou o presidente.

Foi duramente contestado de imediato por membros do Conselho de personalidades extra-partidárias, dizem que formado para garantir a credibilidade da Comissão...

Antes de avalizar a integridade da Comissão é preciso pensar em que ela se formou e se desenvolveu num período em que o PT, formado por uma legião de militantes de esquerda que combateu o regime militar, inclusive com atos de terror e guerrilha, estava no poder.

Até o atestado da morte de Fernando, juntado ao processo que investigou o caso pela Comissão, contém frases de forte viés ideológico, quando reza: “morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro no contexto da perseguição sistemática e generalizada à população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985”.

DEFESA PETISTA
Ah, mas a Comissão da Verdade juntou ao processo do Caso Fernando declarações formais dos Ministérios do Exército, Marinha e Aeronáutica admitindo que ele foi morto enquanto estava sob a responsabilidade do Estado...

Mesmo assim, nada pode afastar ao menos duas perguntas: que credibilidade tem essas declarações se o Ministério da Defesa (que respondia pelos Ministérios das três Armas) era ocupado, nessa época, pelos petistas Celso Amorim e Jaques Wagner, este último envolvido em casos de corrupção ? Que credibilidade tem a Comissão da Verdade se, hoje se sabe, grande parte de seu levantamento serviu apenas para sustentar a grande farra das indenizações a ex-presos políticos que, já em 2017, respondiam por um desembolso superior a 13 bilhões de reais ?

Na verdade, nesses 15 anos de PT, a raposa tomou conta do galinheiro...Marcello Casal Jr, da Agência Brasil, escrevia em 2017:

“A reparação econômica a civis e militares que foram perseguidos, punidos, demitidos, presos ou cassados durante a ditadura militar (1964-1985) já custou R$ 13,4 bilhões aos cofres públicos nos últimos 22 anos. Atualmente, cerca de 10 mil anistiados recebem indenizações mensais – em alguns casos em valores acima do teto constitucional (R$ 33,7 mil). Há casos de pagamentos retroativos que superaram R$ 2 milhões”.

“A Lei da Anistia (10.599/2002) , continuou Marcello Casal, prevê ainda mais algumas regalias. Os valores pagos em indenização a anistiados políticos são isentos do Imposto de Renda e não podem ser objeto de contribuição à Previdência Social. Como a lei prevê a reintegração dos servidores públicos demitidos por motivo político, há casos de anistiados que voltam ao trabalho com renda maior dos que ocupam a mesma função”.

“Entre os anistiados mais famosos – revelou Marcello Casal - estão os cartunistas Ziraldo e Jaguar, do extinto jornal “O Pasquim”, que fez dura oposição ao regime militar; o ex-ministro José Dirceu, hoje condenado à prisão na Lava Jato; e até mesmo um deputado federal, Ariosto Holanda, que acumula a indenização mensal e o salário como parlamentar, cada um no valor de R$ 33.763,00”.

ACIMA DO TETO
Também em 2017, a plataforma digital da Gazeta do Povo (PR) divulgou um balanço completo das indenizações e aposentadorias atribuídas a civis e militares:

- valores mais altos pagos a anistiados em parcelas mensais:

Em R$

ANISTIADOS CIVIS

José Domingos Teixeira Neto - 37.415

Silvio Eduardo de Carvalho Froes - 36.866

Marcio Kleber del Rio Chagas do Nascimento - 36.819

Roberto Mantovani - 36.741

José Caetano Lavorato Alves - 34.477

Carlos Heitor Cony - 34.351

Ruy Diniz - 33.763

Anderson Caio Rodrigues Soares - 33.763

Eduardo José Chagas Pires - 33.763

Carlos Olímpio de Almeida Alves - 33.763

Carlos Augusto Dauzacker Brandão - 33.763

José Thadeu Dias Madureira - 33.763

Eurípedes Palazzo Silva - 33.763

Francisco Ariosto Holanda - 33.763

José Carlos Romeu - 33.763

Argeu Anacleto da Silva - 33.763

MARINHA

Jose Luiz de Araujo Goyano - 27.599

Ney de Souza e Silva - 26.653

Humberto Annibal de Mello Santos - 22.917

José Maria Tibúrcio Barroso - 22.910

Pericles Morais - 22.728

Jose de R P Torreao da Costa - 22.728

Joao Perreira de Moraes Filho - 22.703

Paulo Henrique Medeiros Ferro Costa - 22.616

Haníbal Cézar de Carvalho e Silva - 22.392

Francisco Gomes da Rocha - 21.720

EXÉRCITO

Euryale de Jesus Zerbini - 27.994

Argemiro de Assis Brasil - 27.043

Jose Antao de Carvalho - 25.533

Marcello Pires Cerveira Junior - 25.282

Miguel Alfredo Arraes de Alencar - 25.105

Renato da Costa Braga - 25.030

Ernani Ferreira Lopes - 24.904

Liberato Vieira da Cunha - 24.527

Lourival de Souza Moreira Filho - 24.524

Sesostres de Souza Moreira - 24.128


AERONÁUTICA

Nilton Milan - 26.326

Sérgio Cavallari - 24.731

Iram Pereira de Souza - 24.625

Joao Carlos Gomes de Oliveira - 24.412

Francisco Augusto de Albuquerque Lopes - 23.736

Edmundo de Souza Vieira Junior - 23.186

Merrwelvelson Ferreira e Souza - 22.392

Artur Vieira dos Santos - 21.608

Carlos Alberto Medeiros - 21.608

Acyr Rodrigues Dietrich 21.397

Extração: 30/11/2017. Fonte: Portal da Transparência do Governo Federal. Infografia: Gazeta do Povo.Mais infográficos

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Renan Calheiros, a história de um pilantra

January 21, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square