© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

O silêncio dos culpados

August 30, 2019

Enquanto o povaréu indignado volta sua atenção à barulheira causada pelo crepitar do fogo amazônico que queima nas páginas da imprensalha, destruindo toda a vida inteligente e animaizinhos inocentes como a girafa, o urso panda e o ornitorrinco, o STF trabalha em silêncio.
Quietinhos, vão armando novamente outra tentativa para soltar o sócio, o embusteiro lula da silva.
No calor do fogaréu e da discussão inútil sobre as caneladas entre Bolsonaro e Macron, passa desapercebida a estratégia dos homens da capa preta.
Na terça, 27, por exemplo, gilmar mendes, lewandowski e cármen lúcia anularam a condenação de Bendine, ex presidente da Petrobrás e do Banco do Brasil.
A alegação para o ato é surrealista: um detalhezinho -falha processual.
Não se colocou em questão a culpabilidade do réu, mais sujo do que pau de galinheiro, atestado por todos.
Não. 
E estavam pouco se lixando para o personagem Bendine.

O importante era abrir um precedente.
Um precedente que beneficiasse e justificasse a anulação dos processos de lula.
A decisão foi imediatamente usada pela defesa do vigarista em cana, que solicita a anulação dos processos do Instituto lula, do triplex do Guarujá e do sítio de Atibaia.
O trio entregou de bandeja o que lula precisava para sonhar de novo com a liberdade e com a destruição do Brasil.

Fachin, o relator do imbroglio, foi voto vencido.
Os procuradores da Lava Jato reagiram indignados.
Porque o precedente irá afetar todos os julgamentos de acusados em circunstâncias semelhantes, como quer e alega a defesa de lula.

Afirmam alguns juristas que o precedente -no caso do homenzinho- se aplica somente em relação à condenação do sítio de Atibaia, e não na do triplex.
Mas por aqui, num país dominado pelo palavrório incompreensível e malandro dos duvidosos juízes do STF, qualquer coisa é possível.
Todos já vimos filmes deprimentes e surrealistas protagonizados por essa turma.

Enquanto isso, encarcerado, lula sonha com o fogo.
Não o fogo da Amazônia, naturalmente, para o qual aliás jamais deu a menor atenção enquanto estava na cadeira de presidente.
Ele sonha com um fogo mais abrangente.
O fogo que irá colocar no Brasil quando estiver livre.

O que, esperamos, aconteça daqui a uns vinte anos.
Ou mais.

Em tempo: Fachin, voto vencido e solitário, tenta como pode adiar o julgamento dos pedidos da defesa de lula. Até quando?

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

O poder paralelo

November 16, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square