© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

Uma revolução a caminho

September 26, 2019

É provável que nem o governo federal tenha conseguido enxergar o alcance de sua Medida Provisória, sancionada na sexta-feira, dia 20-09, como primeiro ato de Jair Bolsonaro após sua 4ª. cirurgia, que recebeu o título de Declaração de Direitos de Liberdade Econômica e que estabelece normas de proteção à livre iniciativa e ao livre exercício de atividade econômica e disposições sobre a atuação do Estado como agente normativo e regulador.

O governo avançou até onde pode avançar e garantiu ao empreendedor um grau de liberdade com o qual nunca sequer havia sonhado. Foi um passo enorme rumo à total desburocratização da atividade econômica e uma paulada na espinha do estado fiscalizador, opressor e corruptor.

UMA TSUNAMI DE EMPREGOS
Com a entrada em vigor da MP, o governo prevê geração de 3,7 milhões de empregos e crescimento adicional de 7% no Produto Interno Bruto (PIB), nos próximos anos.

Acompanho o segmento da micro e pequena empresa há muitos anos e tenho um livro publicado de orientação aos pequenos empreendedores (Caminhos Seguros para o Empreendedor, editora Paco) e posso dizer, portanto, que o resultado pode ser até 10 vezes maior se a MP vier acompanhada de um amplo programa de microcrédito e outro, também amplo, de capacitação.

Com o tripé – liberdade para trabalhar, micro-crédito abundante e capacitação – os resultados serão rápidos, pois os pequenos empresários são ágeis tanto na criação de empregos quanto no aprendizado.

SANTA CATARINA
Há exemplo eloquente dessa agilidade: na década de 1980, depois de enfrentar duas enchentes devastadoras, o estado de Santa Catarina começou a enfrentar uma onda enorme de desemprego. Calculava-se na época que o número de desempregados passava de 300 mil, quer dizer, um problema assombroso.

Mobilizados pela associação de micro e pequenos empresários de Blumenau, presidida então pelo economista Pedro Cascaes Filho (coautor do meu livro), os pequenos empreendedores pressionaram o governador (Espiridião Amin) e os deputados para aprovar um estatuto de apoio e incentivo ao segmento.

Na mesma semana da aprovação, o desemprego simplesmente desapareceu como se fosse tirado com a mão.

BICICLETA ERGOMÉTRICA
Na verdade, só patinamos nestes últimos 40 anos no encaminhamento e estímulo ao pequeno empreendedor. E o governo federal nunca soube usar o segmento como parceiro na busca do emprego e na superação de crises na economia.

E as razões são simples: as pastas da economia sempre foram ocupadas por “especialistas” em macro-economia e “ignorantes” em micro-economia. E houve até o caso da economista portuguesa, que ajudara a formular o Plano Cruzado, do José Sarney, Maria da Conceição Tavares, que chegou a admitir a jornalistas do extinto Jornal da Tarde, que não entendia absolutamente nada de pequena empresa.

De Itamar a Lula, passando por FHC, a única ajuda efetiva aos pequenos empresários foi o Plano Real que derrubou a inflação.

O Simples ou o Super Simples não conseguiram vencer a barreira da tecnocracia e nem a mentalidade tributarista -fiscalista incrustada nos governos das três instâncias de poder.

A MP do atual governo deve ser encarada como uma verdadeira alforria da micro e pequena empresa – era quase tudo o que o segmento esperou por décadas a fio.

DA AGÊNCIA BRASIL
Entenda as principais mudanças na MP:

Registro de ponto
- Registro dos horários de entrada e saída do trabalho passa a ser obrigatório somente para empresas com mais de 20 funcionários. Antes, a legislação previa esta obrigação para empresas com mínimo de dez empregados
- Trabalho fora do estabelecimento deverá ser registrado
- Permissão de registro de ponto por exceção, por meio do qual o trabalhador anota apenas os horários que não coincidam com os regulares. Prática deverá ser autorizada por meio de acordo individual ou coletivo

Alvará e licenças
- Atividades de baixo risco, como a maioria dos pequenos comércios, não exigirão mais alvará de funcionamento
- Poder Executivo definirá atividades de baixo risco na ausência de regras estaduais, distritais ou municipais
- Governo vetou item que dispensava de licenças para atividades de baixo risco que abrangem questões ambientais.

Fim do e-SOCIAL
- O Sistema de Escrituração Digital de Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (e-Social), que unifica o envio de dados de trabalhadores e de empregadores, será substituído por um sistema mais simples, de informações digitais de obrigações previdenciárias e trabalhistas.

Carteira de trabalho eletrônica
- Emissão de novas carteiras de Trabalho pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia ocorrerá “preferencialmente” em meio eletrônico, com o número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) como identificação única do empregado. As carteiras continuarão a ser impressas em papel, apenas em caráter excepcional.
- A partir da admissão do trabalhador, os empregadores terão cinco dias úteis para fazer as anotações na Carteira de Trabalho. Após o registro dos dados, o trabalhador tem até 48 horas para ter acesso às informações inseridas.

Documentos públicos digitais
- Documentos públicos digitalizados terão o mesmo valor jurídico e probatório do documento original.

Abuso regulatório
- A MP cria a figura do abuso regulatório, para impedir que o Poder Público edite regras que afetem a “exploração da atividade econômica” ou prejudiquem a concorrência. Entre as situações que configurem a prática estão:
• Criação de reservas de mercado para favorecer um grupo econômico
• Criação de barreiras à entrada de competidores nacionais ou estrangeiros em um mercado
• Exigência de especificações técnicas desnecessárias para determinada atividade
• Criação de demanda artificial ou forçada de produtos e serviços, inclusive “cartórios, registros ou cadastros”
• Barreiras à livre formação de sociedades empresariais ou de atividades não proibidas por lei federal.

Desconsideração da personalidade jurídica
- Proibição de cobrança de bens de outra empresa do mesmo grupo econômico para saldar dívidas de uma empresa.
- Patrimônio de sócios, associados, instituidores ou administradores de uma empresa será separado do patrimônio da empresa em caso de falência ou execução de dívidas.
- Somente em casos de intenção clara de fraude, sócios poderão ter patrimônio pessoal usado para indenizações.

Negócios jurídicos
- Partes de um negócio poderão definir livremente a interpretação de acordo entre eles, mesmo que diferentes das regras previstas em lei.

Súmulas tributárias
- Comitê do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais da Receita Federal (Carf) e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) terá poder para editar súmulas para vincular os atos normativos dos dois órgãos.

Fundos de investimento
- MP define regras para o registro, a elaboração de regulamentos e os pedidos de insolvência de fundos de investimentos

Extinção do Fundo Soberano
- Fim do Fundo Soberano, antiga poupança formada com parte do superávit primário de 2008, que está zerado desde maio de 2018.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

O homem do controle social

December 7, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square