© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

A esquerda e o ódio de Deus

October 16, 2019

Uma das coisas que certamente chamam muito a atenção na esquerda — e que possivelmente é uma de suas características mais preponderantes — sem dúvida nehuma é o ódio irrefreável que ela sente e manifesta pelo cristianismo. Por quê? De onde vem tanta intolerância e aversão pelo cristianismo?  

 

Ainda que determinadas religiões manifestem comportamento verdadeiramente bárbaro, violento e desumano — como o islamismo, por exemplo —, a esquerda está sempre disposta a fazer vista grossa a todas as atrocidades e carnificinas perpetradas pelos seguidores de Maomé; no entanto, nunca deixa de criticar o cristianismo, e ridicularizá-lo em todas as oportunidades possíveis. Se alguém critica os muçulmanos, a esquerda rapidamente condena e rotula tais pessoas como intolerantes; no entanto, eles não veem problema algum em criticar os cristãos, e sempre sem motivo algum. 

 

Em decorrência do fato de que não passa de uma ilusão infantil alimentada por militantes utópicos, a esquerda está sempre disposta a ignorar a realidade em favor de sua fantasia. Por isso, não se importa com fatos. E o que os fatos dizem? Que o cristianismo é a religião mais perseguida do mundo atualmente. Aproximadamente 150.000 cristãos são assassinados por ano em razão de sua fé, e são brutalmente perseguidos em cerca de 50 países. No mundo hoje, não há nenhuma outra religião mais vilipendidada, perseguida e hostilizada do que o cristianismo. No entanto, a esquerda não se importa com isso. Acostumada a ignorar fatos, ela se importa mais com os muçulmanos, que são justamente os maiores assassinos de cristãos que já existiram na história. Hoje, a maioria dos países onde cristãos são perseguidos, executados e encarcerados arbitrariamente são justamente aqueles de maioria muçulmana. 

 

Para a esquerda, é uma questão humanitária ajudar muçulmanos, especialmente os tais refugiados, que foram deslocados em consequência dos conflitos nos países do Oriente Médio. Quem critica esse suposto humanitarismo, no entanto, é imediatamente acusado de xenofobia. Para a esquerda, o importante é ajudar e acolher todo mundo, não importam os custos envolvidos. Se terroristas e jihadistas passarem pelas fronteiras, os militantes realmente não ligam. O que importa é "ajudar". Se para isso a carga tributária tiver que ser brutalmente elevada — pois o governo eventualmente terá que sustentar os imigrantes através de medidas assistencialistas —, não interessa, o que importa para a esquerda é "ajudar". Mas ajudar, é claro, sempre com os recursos e o dinheiro dos outros.  

 

Mas por que a esquerda — que age sempre com tanta deferência e paternalismo para com os muçulmanos — não demonstra o mesmo senso de humanitarismo para com os cristãos? 

 

Antes de tudo, não devemos esquecer jamais que a esquerda é uma religião. Uma religião política, não uma religião espiritual; mas ainda assim, é uma religião. No entanto, o deus a que veneram e juram lealdade e obediência absoluta é o estado, e não o Deus verdadeiro, o criador e Pai Celestial, Jeová.  

 

A esquerda detesta ter que competir com a verdade — a que está perfeitamente descrita na Bíblia, do livro de Gênesis ao livro de Revelação —, e como o seu grande objetivo é suplantar o Criador para tomar o seu lugar, através do estado, o deus falso que veneram e é difundido por sua crença, é inevitável que a esquerda política sinta repulsa e ojeriza por tudo aquilo que é sacrossanto, divino e celestial. Para isso, basta ver como induzem seres humanos ao pecado da idolatria, levando-os a adorar meros mortais, como políticos e governantes. A idolatria promovida pelo PT ao Lula, por exemplo, o líder máximo e messias da seita, mostra isso de forma clara e reiteradamente aberta. 

 

Evidentemente, essa idolatria é ainda mais explícita em uma ditadura socialista, onde Deus é substituído pelo estado e Cristo Jesus pelo ditador. Na Coréia do Norte — país onde cristãos são abertamente hostilizados e ostensivamente perseguidos, apenas uma forma estatal de cristianismo é tolerada, para ludibriar estrangeiros e fazê-los pensar que existe liberdade religiosa no país —, periodicamente a população deve prestar atos de reverência às estátuas de Kim Il-sung e Kim Jong-un, o primeiro e o segundo ditador, respectivamente, em um funesto e bestial ritual de idolatria. Mas fazem isso, é claro, porque são obrigados. Quem se recusar a prestar tal adoração aos ditadores é morto ou encarcerado pelo tirânico regime. 

 

A esquerda vive para difundir mentiras e afastar as pessoas de Deus. Como ela não suporta a verdade — antes o contrário, tenta sumariamente afastar as pessoas dela — a esquerda encara o cristianismo como um inimigo, porque, sendo ela mesma uma religião, porém uma religião política, precisa ocupar os lugares celestais com a sua versão fantasiosa da realidade. 

 

Mas acima de tudo, a esquerda detesta o cristianismo porque esse mostra, sem receio ou temores, tudo aquilo que a esquerda realmente é: uma falaciosa e iníquia deturpação tirânica, disposta a usurpar as competências divinas, e subjugar a humanidade, inclinando-a a incorrer em pecados odiosos, como idolatria, promiscuidade e secularização. Combater a esquerda não é combater um movimento político, mas a própria degradação da condição humana. É aceitar a soberania e a benevolência do Criador — e de seu santo e amado filho unigênito Cristo Jesus —, como uma condição sine qua non para a redenção do indivíduo temente a Deus. E acima de tudo, é aceitar o Criador como o legítimo governante da humanidade, e não efêmeros, transitórios e mundanos movimentos políticos, sempre saturados de falácia, demagogia e idolatria. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

A patuscada do Cid Gomes

February 24, 2020

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square