© Todos os direitos reservados

Re-União 2017

O corvo e os despachantes do PT

December 3, 2019

Na década de cinquenta, o apelido de "corvo" feriu a alma e a estima do mais preparado político que o Brasil já teve: Carlos Lacerda.

Em resposta à sua incessante campanha para derrubar Getúlio Vargas, o jornal Última Hora, de Samuel Wainer, fez uma charge de Lacerda com a imagem de um corvo. E sempre que referia a ele o chamava de "o corvo". Lacerda nunca mais teve paz de espírito, e esse singelo apelido o diminuiu, o balançou no pedestal intocável de intelectual e político sagaz, colocando-o numa gaiola imaginária, ou assemelhando-o ao corvo falante de Edgard Allan Poe.

 

O editor do UH era filiando ao PCB, e não deu trégua ao político. Além do interesse do patrão, tinha na ideologia sua maior motivação para caluniar o adversário. Carlos Lacerda fazia discursos inflamados na Câmara, acusava que o Última Hora era financiado por Getúlio, através do Banco do Brasil. E era, mesmo. Isso nunca foi segredo. Uma mamata que valeu a abertura e sustentação de um jornal de cunho "Oficial", emplacando na praça com grande sucesso. Todas as crônicas de "A vida como ela é", de Nelson Rodrigues, foram escritas para o Última Hora; Paulo Francis assinava uma página diária. Era um excelente jornal. Mas queremista por interesse. Queremismo foi um movimento político criado para manter Getúlio Vargas no poder.

 

Mas como sempre, os comunistas acabam perdendo, e Getúlio perdeu a luta contra Lacerda, ao cometer o erro de mandar matá-lo. Seu chefe da Segurança, Gregório Fortunato, falhou e para agravar a situação mataram acidentalmente um oficial da Aeronáutica que fazia voluntariamente a segurança de Lacerda. O atentado foi praticado na Rua Toneleiros, Copacabana, na entrada do prédio onde Lacerda morava. Ninguém saberia explorar o atentado com tanta ênfase quanto o próprio Lacerda. E foi o que aconteceu.

 

E a Getúlio só coube o suicídio, depois que a Aeronáutica, que assumira a investigação por ter um dos seus oficiais assassinado, convocou o irmão de Getúlio para prestar depoimento. Sabedor das consequências de uma intervenção, dada como certa, no Palácio do Catete, Getúlio capitulou e resolveu sair da vida para entrar para a história.

 

Fiz a introdução só para reforçar que temos uma arma de efeito moral que pode ser a gota d´água para desmoralizar de vez e fazer sucumbir a banda podre do STF. O papel que eles fizeram para soltar o maior bandido da nossa história, beneficiando de tabela milhares de outros bandidos, os coloca na categoria de despachantes de Lula. São despachantes togados, meros serviçais do mando petista e psdebista.

 

Assim como o corvo que feriu Lacerda, temos que referir a esses serviçais do crime como Despachantes. Nada mais desmoralizante e verdadeiro.

 

CRIMES DIÁRIOS.

No Globo há um engajamento cego para desprezar tudo de bom que o governo faz e, contrariamente, procurar pelo em ovo para esconder os bons feitos praticados por Bolsonaro.

Neste 30/11 esse finado órgão passou do limite, fez um editorial, que é seu pensamento oficial, com o seguinte título: "Bolsonaro erra ao atrasar as reformas". PQP, quem atrasa as reformas? A Lei de combate ao crime, do Ministro Moro, está há nove meses engavetada pelo atletinha do centrão. Tudo que Bolsonaro edita como medida provisória em benefício do interesse Nacional, a Câmara junta seus aliados no crime e derruba. Um editorial munido de tanto anti-jornalismo, anti-Brasil não pode passar sem registro

Um Ato Institucional que coloque freio nessa prática criminosa está ficando cada vez mais obrigatório.

  

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Dallagnol processa Gilmar Mendes

December 9, 2019

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square